andrewalker.net

Levantando Recursos com Orçamento Zero

| comentários

A história de como montei um sistema de pagamentos sob medida, usando as melhores ferramentas disponíveis (sic) com um custo inicial zero.

Tudo começa com um menosprezo social pelo trabalho (e estudos) de minha irmã caçula…

Minha irmã Lilian e sua amiga Júlia estudam Artes Visuais na UNICAMP. Recentemente, ganharam uma bolsa de estudos para estudar na Universidade do Porto, em Portugal.

Sabe como um monte de gente tem ido nestes últimos anos para o Ciências sem Fronteiras, ganhando uma série de bolsas e benefícios além da vaga na universidade no exterior? Pois é, não é o caso da minha irmã. :(

Infelizmente, Artes Visuais não são contempladas por programas como o CsF, e há muito menos bolsas disponíveis. O que significa que a estadia das duas ficaria por conta delas, e bancar todas as contas em Euros não é fácil.

Daí a ideia de se montar um site para “rifar” 2 trabalhos de cada uma. Cada pessoa escolhe o número de “cupons” que quer comprar, isto é, podendo aumentar a probabilidade de ganhar. Se por outro lado, não tiver condições de contribuir muito, compra apenas 1 cupom apostando em apenas 1 trabalho. Cada cupom custaria R$ 5,00.

Resultado final: seismesesnoporto.ga

Caso queira saber como foi criado, continue lendo :)

Desenvolvendo o site - interface visual

Eu não sou nenhum artista, e não tínhamos muito tempo. Como o orçamento era zero, procuramos templates HTML gratuitos e bonitos. Depois de algumas pesquisas, encontramos Brushed.

A partir do template, trocamos as imagens do slideshow por imagens de Porto, refizemos os textos, e trocamos o formulário de contato por um de pagamento. O site inteiro foi feito de forma estática, em HTML puro, e ele interagiria com uma aplicação que salvaria os dados e redirecionaria para o gateway de pagamento.

Embora esta parte tenha gastado tempo significativo, não há muito mais de interessante para contar. É trabalhoso, mas não é meu forte, e há vários lugares que poderiam receber uma bela refatoração e otimização. Se algum designer ou programador front-end analisar meu código desta parte, peço perdão desde já :P

Desenvolvendo a aplicação back-end

Sem surpresas por aqui - utilizei a fantástica framework MVC Catalyst para desenvolver a aplicação com um banco de dados PostgreSQL, versionado por sqitch, acessado por DBIx::Class.

A aplicação teria o propósito de:

  • Salvar os dados do “comprador”;
  • Redirecioná-lo para a página de pagamentos;
  • Alterar status dos pagamentos após confirmação do intermediador (eg. PayPal);
  • Enviar e-mails com a confirmação de recebimento da rifa;

Você pode checar o resultado final aqui: https://github.com/andrewalker/p5-porto6-web.

O fluxo completo, então, ficou assim:

  • O usuário submete o formulário com os dados;
  • uma requisição ajax é feita para /place_order;
  • se a requisição foi bem sucedida, o id do pagamento (que é um UUID gerado pela aplicação) é devolvido para o javascript, que redireciona o usuário para /redirect/:payment_id;
  • caso o pagamento seja via depósito, em vez disso, o usuário é redirecionado para deposit.html;
  • De tempos em tempos, uma tarefa cron aciona o método update_all, que atualiza os status dos pagamentos, e outra tarefa cron aciona o método send_payment_received_mails, que envia e-mails a quem está com status de pago;

De forma que o fluxo dos status é o seguinte:

new -> waiting -> payed -> sent-email
   \         \
    \         \-> failed
     \
      \-> expired

new é o primeiro status de um pedido, assim que ele foi recebido por nós, antes de a pessoa ser redirecionada ao intermediador de pagamentos. Quando o intermediador fica sabendo da existência desse pagamento, o status muda imediatamente para waiting. Se um status fica em new por 24 horas, vai para expired. Por outro lado, o pedido fica em waiting até que o intermediador de pagamentos altere seu status.

Por fim, os e-mails são enviados usando Email::Sender::Simple e Email::MIME, na classe Porto6::Mailer. Toda a configuração do servidor SMTP a ser usado, bem como as credenciais, são por meio de variáveis de ambiente.

A comunicação com os intermediadores de pagamento PayPal e PagSeguro são feitas por meio do bom e velho Business::CPI. Porém, pude perceber que este meu módulo precisa de bastante atenção :) Fica para um outro post.

A publicação

Agora a parte boa: como pus tudo isso no ar de graça?

Comecemos pelo domínio: você deve ter se perguntado de onde vem esse “.ga”. Pois bem, é o domínio de Gabão, assim como o br é do Brasil. Se a falta de conexão do site “Seis Meses no Porto” com Gabão lhe incomodar, lembre-se de quantos sites não-comerciais usam o .com :P

Enfim, domínios .ga são oferecidos gratuitamente.

Além disso, utilizei CloudFlare para gerenciar o domínio. Isto me deu uma série de vantagens:

  • um bom serviço DNS (sempre muito importante, não menospreze esta parte!);
  • distribuição global;
  • sistema de cache;
  • certificado SSL gratuito;

De cara, já resolvi um monte de problemas.

O e-mail eu hospedei em um servidor próprio, no mesmo do andrewalker.net. Se eu não tivesse este servidor, poderia ter utilizado um serviço de hospedagem de e-mails gratuito com domínio customizado como o zoho.com. Isto não é tão fácil de se encontrar como se pode imaginar, já que Google Apps é pago, e a maioria dos provedores de e-mail gratuitos não permitem domínios customizados.

A aplicação back-end eu hospedei utilizando heroku, com o buildpack do miyagawa. Isto me possibilitou SSL entre CloudFlare e a aplicação, para sigilo completo dos dados, além de um deploy simples e rápido, com ferramentas ótimas para relatórios rápidos.

Por fim, os e-mails foram enviados utilizando Mandrill, que é gratuito para até 12 mil e-mails por dia. Diminui drasticamente as chances dos e-mails irem para spam, ou outros problemas similares. Além de mostrar gráficos legais sobre quem abriu os e-mails, etc.

As tarefas cron, como para mudar status de pagamentos, etc, eram disparadas de um servidor próprio, que simplesmente acessavam URL’s via wget na aplicação back-end. Poderia ter sido feito com Pingdom, caso eu não tivesse o servidor.

Por fim, utilizei Clicky para acompanhar o número de visitantes no site. Mais hipster que Google Analytics :P

Caso queira ganhar um quadro, então, não perca tempo! Dia 07/02 será feito o sorteio!

https://seismesesnoporto.ga

Comentários